domingo, 21 de fevereiro de 2010

. SIGNS - Historinha interessante .

Domingo de manhã, sozinha em casa e sem nada para fazer... Resolvi procurar vídeos no Youtube para aproveitar meu último dia de ócio. (Sim, fim de férias. Aulas da faculdade começam nessa segunda-feira). Enfim... Eis que me deparo com esse vídeo.
Pelo início, nem tinha muita fé que era um curta-metragem interessante. Pensei que seria mais um vídeo que serviria de propaganda para algum produto. Contudo, do meio para o fim... Me apaixonei!!
O vídeo é ótimo! Os poucos diálogos são compensados com uma trilha sonora e uma fotografia que demonstram as exatas sensações em todos os momentos do curta. A história é muito bonitinha e o casal principal é um encanto (muito me lembra o casal do filme 500 dias com ela, como também o casal do vídeo de taylor Swift You belong with me. É mais ou menos um tipo de mistura das histórias desses dois casais). (:
Vale a pena conferir! ;)


FICHA-TÉCNICA
Título Original: Signs
Gênero: Comédia/Curta
País: Austrália
Ano de Produção: 2008
Tempo de Duração: 12 minutos
Direção: Patrick Hughes
Roteiro: Patrick Hughes
Elenco: Kestie Morassi (Stacey) e Nick Russell (Jason)

. Receita anti stress .

Quando você precisar relaxar e afastar-te de todos or problemas e pessoas, não há nada como...
... Passar um dia em uma praia na República Chinesa.

 
  
 
 Bem relaxante não é? rs.
E a gente ainda reclama...

(via e-mail recebido)

sábado, 20 de fevereiro de 2010

How To Be - Uma Vida Sem Regras

“Às vezes, a única forma de se encontrar é sendo você mesmo."

Para quem está acostumado com Robert Pattinson vivendo o vampiro Edward Cullen, o galanzinho da saga Twilight, vai se assustar com ele na pele de Art, um frustrado “músico” britânico que - sem objetivos na vida - começa a passar pela crise dos 20 anos, o que faz os adultos prolongarem sua adolescência, estendendo seu período de incertezas e instabilidades, tanto de fundo emocional quanto financeiro. 

O longa independente é uma comédia irônica sobre Art (Robert Pattinson), um adulto de 20 anos que é um pouco perturbado: ele julga-se uma eterna criança infeliz que não teve o amor necessário de seus pais. Para piorar a sua namorada resolve acabar o namoro por não agüentar mais essas crises de infelicidade de Art e ele volta a morar com os pais, que não ficam nem um pouco felizes com a novidade.
Sem o amor dos pais, sem namorada e sem nenhum plano profissional, Art se vê em desespero. Os seus dois únicos amigos: Ronny - que tem agorafobia (medo de lugares abertos) e vive trancafiado em seu apartamento e quer montar uma banda de música eletrônica - e Nikki, o feliz e sortudo da turma, tentam o ajudar a sair dessa e se dedicar a sua música.
Contudo, ele continua desmotivado. Então, resolve gastar o dinheiro da sua parte na herança do tio para contratar os serviços do médico e escritor de um Best-seller de auto-ajuda – o Dr. Levi Ellington, com a esperança de tornar-se normal. E o restante do filme se desenrola com o médico e suas tentativas trágicas e engraçadas de ajudar Art.

Uma Vida Sem Regras é o filme de estréia do diretor e roteirista Oliver Irving. Com personagens que parecem viver em um universo paralelo ao nosso, o que causa uma certa estranheza, mas até que não é um filme tão ruim, só não traz nada de novo ou emocionante para merecer destaque na Sétima Arte.

Ficha-técnica
Gênero: Comédia e Drama
Duração: 85 min.
Origem: Reino Unido
Estréia: 18 de Dezembro de 2009
Direção: Oliver Irving
Roteiro: Oliver Irving
Produção: Paris Filmes
Censura: 12 anos
Ano: 2008

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Pequenos acontecimentos, Grandes mudanças

Capítulo I - Pequena Mudança

Sexta-feira à noite. A lua cheia daquele dia de verão enchia o céu com seu luar. Cláudia, 16 anos, estava na varanda de seu quarto perto da janela. Caneta na mão, agenda aberta e pensamentos bem distantes: assim tinha sido a vida da garota naqueles últimos três meses. Pensar, lembrar e recordar: eram seus três lemas. Logo ela que era tão alegre e feliz, encontrava-se deprimida e sentia-se sozinha. Não ligava mais para cuidar de seu lindo cabelo sedoso. Agora andava com ele preso em um rabo de cavalo. Tudo isso porque Luiz havia acabado o namoro e falado que agora gostava dela “apenas como amiga”.
Um vento gostoso, vindo da janela principal do quarto, percorreu o rosto da menina. Aquela sensação de frescor pareceu afastar – pelo menos por um instante - todos os pensamentos ruins que inquietavam seu coração. Entediada e cansada de sua situação atual, largou a caneta e a agenda e decidiu ligar o PC para ver quem estava online.
Lá estava ele, seu fiel escudeiro – Carlinhos. Contudo, Claudinha já estava morrendo de vergonha de desabafar e pedir conselhos – que ela nunca seguia – para o amigo. Por isso, resolveu continuar offline. Todavia, por coincidência, destino ou acaso, eis que começa a tocar a música Best Friend da banda inglesa Weezer. Era o celular dela a tocar. E adivinha: Carlinhos convidando- a para sair.
Nos últimos três meses, ele tentava tirar sua amiga do casulo - sem sucesso. Por mais que ela gostasse das brincadeiras e companhia de Carlos, ainda não sentia vontade de se produzir para sair. Todo aquele ritual de arrumar cabelo, passar ‘make up’ e escolher a roupa e o sapato perfeitos lembravam as saídas dela com Luiz e essa recordação ela não queria ter mais.
Dias se passaram. Entre telefonemas, e-mails e conversas pelo msn e twitter, a garota finalmente resolveu sair de casa. Iria pegar um cineminha com sua melhor amiga Amanda, mas ainda não haviam decidido a qual filme assistiriam. Depois de muita pesquisa e combinações, optaram por Premonição 4 – 3D. Sim, filme de terror foi a escolha das duas mesmo. Nada de comédia romântica com final reflexivo ou drama com aquela choradeira de sempre.
Sessão decidida, hora marcada, só faltava o mais difícil: escolher a combinação perfeita de roupas e acessórios. Cláudia, depois de meses com uma produção básica, quase hippie, voltaria ao estilo que tanto gostava. Escolheu um jeans básico que lhe caia bem, com uma blusa básica preta. O sapato rosa, tipo boneca, e a bolsa de alça fininha de mesma cor fechariam a composição do look. Make up bem básica também: lápis e delineador preto, brilho labial incolor e lógico que não poderia faltar a ferramenta indispensável ao seu modelito - o blush rosa.

Pequenos acontecimentos, Grandes mudanças


Capítulo II - A decisão de Cláudia

Cláudia chegou ao shopping por volta das 14h30min, bem mais cedo que o combinado com Amanda que seria às 16 horas. Deu uma passeada básica pelas lojas preferidas e depois foi para frente do cinema esperar a amiga. Trinta minutos depois o celular toca. Era Amanda avisando que não poderia ir se encontrar com ela por causa de imprevistos pessoais. Amanda se desculpou e Cláudia – boa amiga como era – fingiu não ligar e disse que não teria problema. Contudo, Cláudia ficou triste sim. Não acreditava que quando finalmente havia saído de casa sua amiga tinha lhe dado bolo. Enfim... Como já estava em frente ao cinema, iria assistir ao filme assim mesmo. Comprou pipoca, refrigerante e aguardou o horário da sessão.
Sala liberada, poltrona escolhida e já acomodada, a garota olha para a porta de entrada e quem ela vê entrar (e sozinho)? Sim, sim. Seu amigo Carlinhos. O olho da menina brilha de felicidade. Contudo, ela fica a pensar: destino, acaso ou empurrãozinho da amiga? Ahhh, nada mais importava. Ela estava feliz demais para pensar nisso. Não teria que ver o filme sozinha e ainda por cima estaria com seu companheiro de risadas preferido. A adolescente acenou para o amigo. Ele logo viu e abriu um sorriso de orelha a orelha. Aquele sorriso gentil e carinhoso que derrete qualquer uma. Foi uma felicidade só.

E o filme começou. Eles riram, gritaram, e morreram de rir novamente com as cenas da película com as mais improváveis formas de se morrer. Pipoca e refrigerante divididos. Tempo aproveitado e compartilhado. O shopping já estava a fechar. Então, eles finalmente resolveram ir embora. O caminho de volta para casa foi bem descontraído: Carlos, sem habilitação, dirigindo o carro de seu pai; a música I’m Yours de Jason Mraz, de fundo; e muitas, muitas risadas. O medo de serem pegos por uma blitz nem parecia os afetar. Cláudia ria muito com as besteiras do amigo e eles relembravam os tempos de criança. Todavia, a Rua das Gaivotas já se aproximava. O carro parou. A despedida dos dois foi breve: um beijinho no rosto e a promessa de uma saída para o parque no dia seguinte.
A adolescente entrou em casa. Tomou um bom banho, deu boa noite aos pais e foi se preparar para dormir. Já no quarto, começou a fazer o que sempre fazia antes de dormir: pensar no dia que se passou e em como estava a sua vida até aquele momento. E Cláudia pensou e pensou. Estava tão alegre, fazia um bom tempo que aquela sensação de calmaria invadira seu coração. De tanto pensar ela acabou por adormecer.
E amanheceu. Ela acordou e já havia se decidido: a partir daquele dia não perderia mais tempo com o que já era passado. Não desperdiçaria os seus tão preciosos minutos de juventude com o que não a levaria para frente. Passaria a enxergar tudo com uma visão renovada. Assim como um míope - que necessita frequentemente ajustar suas lentes - foi com ela: a garota precisou aprender a ajustar seus pensamentos e sentimentos para seguir em frente enxergando com uma maior clareza.
Agora se sentia bem, e havia percebido também que todo aquele tempo de isolamento não tinha sido em vão. Ela estava mais madura. Tinha refletido muito e começava a mudar de postura. Como um recém-nascido, ela estava a despertar para vida novamente. 
.
.
.
Dois anos se passaram. Cláudia agora é universitária - caloura de Engenharia da Computação. E Carlos é calouro do curso de Medicina. Os dois entraram juntos na universidade e namoram há dois anos. Se eles serão felizes para sempre? Ahhhh... Isso só o tempo dirá. Afinal, eles são só apenas calouros não é?! Ainda têm muito caminho a percorrer. ;)

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Zé Eudo - Radialista

José Eudo, um mestre no rádio do Rio Grande do Norte
José Cleudo de Medeiros Câmara, 54 anos, é natural e Caraúbas e trabalha no radiojornalismo.
Atualmente, desempenha a função de comunicador nas rádios comunitárias Satélite FM 87,9 e na Rádio FM Nova Parnamirim 87,7. Na Satélite FM apresenta, de segunda a sábado, 5 às 06h45, o “Terreiro da Fazenda”, um forrozão tradicional que abre espaço para os poetas da terra. Logo depois, assume o “Jornal Satélite”, com o resumo das principais notícias do momento. Trabalhou em todas as rádios de Natal, menos na 98, 95 e na recente Clube FM. Quando não estava ao microfone, estava por trás, nos bastidores. Começou anunciando músicas, mas queria entrar em contato com o público, comunicar. Por seu pai gostar de escutar os noticiários do rádio, desde criança José Eudo (nome artístico) tinha como brincadeira predileta entrevistar as pessoas como se estivesse em um programa de rádio. Foi morar em Mossoró e retornou em 1973, para fazer o segundo grau no Colégio Atheneu Norte-rio-grandense e depois prestar vestibular na UFRN.
O sonho do seu pai era que ele seguisse a sua carreira de farmacêutico ou prestasse vestibular para engenharia civil, pois tinham parentes trabalhando nesses ramos. Zé Eudo, como é mais conhecido, até chegou prestar vestibular para engenharia civil e economia, que era a grande novidade dos anos 70 devido ao milagre econômico brasileiro, mas nunca perdeu o interesse pela comunicação social, especialmente pelo rádio.
Submeteu-se ao primeiro concurso, ainda estudante do 2º ano do segundo grau, para locutor anunciador da Rádio Rural, que na época era uma rádio musical. Foi a “pior ansiedade” da sua vida e ele não passou dessa vez, mas não desistir de seguir na carreira de radialista.
Zé Eudo sempre teve muita admiração pela Rádio Poti, devido à programação de qualidade, mas a primeira oportunidade de estágio surgiu na Rádio Rural, quando ele tinha 16 anos. Da Rádio Rural foi pra Poti, rádio grande e profissional e era onde estavam seus grandes ídolos: Ademir Ribeiro, Gilson Freire, José Antônio, Cassiano Arruda, Glorinha Oliveira. Zé Eudo diz que essa primeira experiência na Rádio Poti foi para ele “uma escola”. Da Poti foi chamado para trabalhar na Cabugi - que era a rádio de grande audiência, na época - pois havia aberto uma vaga com a saída de Carlos Alberto, que havia se desentendido com o grupo político dos Alves, que até hoje dirigem a emissora.
Então, na Cabugi, ele se sentiu estimulado a aprimorar o conhecimento e decidiu fazer o curso de comunicação social da UFRN. Passou no vestibular e como o curso era pela manhã, passou a estudar de manhã e estagiar de tarde.
Este é um pouco da história desse comunicador, que me recebeu, sexta-feira passada, na Satélite FM.

Quer confirir a entrevista com ele? Acesse: http://criandopauta.blogspot.com/2010_01_31_archive.html

Major Margarida Brandão - PROERD

Major Margarida Brandão é policial militar há vinte anos. Mãe de duas meninas, adora a profissão. Ela coordena o Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd) no Norte-Nordeste, além de comandar a Companhia Independente de Prevenção ao uso de Drogas (Cipred) no Rio Grande do Norte, a primeira no Brasil a atuar especificamente na problemática das drogas. Ela concedeu entrevista exclusiva para mim, Silvia Correia, repórter do “Criando Pauta”.


Confira a entrevista com a major acessando esse link do blog "Criando Pauta" do jornalista e editor do Jornal de Hoje - João Ricardo Correia: http://criandopauta.blogspot.com/2010_01_24_archive.html

SALATIEL DE SOUZA

Salatiel de Souza - Apresentador de TV e ex-vereador de Natal.

Salatiel Maciel de Souza tem 37 anos. Casado, pai de dois filhos, evangélico, de origem humilde, foi líder estudantil, começou a trabalhar no rádio em 1992. Cinco anos depois, chegou à televisão, sempre cobrando, reivindicando, criticando e pedindo providências às autoridades para resolver os problemas das comunidades. Em 2004, foi eleito vereador em Natal pelo então PFL. Em 2006, candidatou-se a deputado estadual e não teve sucesso. Chateado com o candidato a governador apoiado pelo partido, rasgou a ficha de filiação e foi para o PSB, liderado pela governadora Wilma de Faria, de onde saiu e retornou à antiga legenda, agora denominada Democratas. Acusado de participar de um esquema que teria comprometido a votação das emendas do Plano Diretor da capital do RN, que ficou conhecido como “Operação Impacto”, ele terminou não sendo reeleito em 2008 e agora espera que a Justiça diga logo quem é culpado e quem é inocente. Salatiel concedeu entrevista exclusiva ao blog “Criando Pauta”, sexta-feira passada, logo depois de apresentar seu programa “Natal Urgente”, na Band Natal.

Quer conferir a entrevista com ele? Acesse o link: http://criandopauta.blogspot.com/2010_01_10_archive.html
Ocorreu um erro neste gadget

Poderá Gostar também:

Related Posts with Thumbnails