sábado, 11 de dezembro de 2010

Sinônimo de igualdade


A pauta sobre o Aquecimento Global é cada vez mais abordada pela mídia, nas escolas, universidades, palestras, conferências e até mesmo em nossas casas. A preservação do meio ambiente já é algo estudado, discutido e debatido por todos nós. A procura de novas fontes energéticas, da diminuição dos gases poluentes e da preservação da água potável é realizada pela grande maioria das nações mundiais.

Segundo países patrocinadores da resolução do problema da falta de água potável e saneamento básico das diversas nações do planeta, cerca de 884 milhões de pessoas carecem desse recurso mineral. Mais de 2,6 milhões não têm saneamento básico e cerca de 1,5 milhão de crianças menores de cinco anos morrem a cada ano por causa de doenças provenientes da falta desses recursos básicos.

Na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), ocorrida em julho deste ano, a ONU aprovou uma resolução afirmando o direito universal à água potável e ao saneamento. Entretanto, mais de 40 países se abstiveram, contestando que o tema não está contemplado no direito internacional.

Mesmo se os problemas relacionados ao meio ambiente fossem solucionados daqui há alguns anos, a água potável não seria usufruída por todas as populações, nem muito menos seria encontrada na grande maioria dos lares. Água potável para todos é sinônimo de igualdade. E igualdade na atual configuração da sociedade capitalista mundial é utopia.

Contudo, deve-se ter em mente que nada na vida é imutável. Afinal, impérios como o egípcio, grego e o romano foram extintos. Portanto, devemos acreditar que um dia a consciência, a compaixão e o amor poderão falar mais alto. Para se dar início a essa revolução basta apenas que pequenas ações comecem a ser postas em prática por nós, como por exemplo: não jogar papel de bala pela janela do carro, dar oportunidade e ajudar ao próximo, ou simplesmente tentar escolher um bom candidato e votar consciente. São ações assim que mudam o mundo. São dos pequenos atos que surgem as grandes mudanças. Nós só não podemos ficar estáticos, sem nenhuma reação.


Foto, lápis e grafite...

Há momentos em nossa vida em que seria ótimo passar uma borracha nos acontecimentos e começar tudo de novo não é mesmo? Pois é mais ou menos esse o trabalho do ilustrador Ben Heine. Contudo, ao invés de deixar tudo mais perfeitinho, esse artista belga tem como objetivo deixar as paisagens e momentos mais divertidos.
Graduado em jornalismo, ele também é pintor, ilustrador, retratista, caricaturista e fotógrafo. Tem oito anos de experiência profissional no ramo de criação gráfica e é o criador das técnicas: “Pencial Vs Camera” e “Digital Circlism”.
Apaixonado por fotografia e arte, Ben Heine não se contenta em apenas registrar o momento. Seja por um ângulo modificado ou com a junção de papéis e grafite, o resultado de suas fotos são sempre incríveis.

Lentes nas mãos + criatividade à solta = fotos sensacionais

Confira abaixo algumas fotografias desse artista diferenciado:

















Conheça mais o trabalho desse artista nos sites: http://www.flickr.com/people/benheine/ e

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Um ordinário dia na Pintassilgos

Um tour pelo cotidiano e história de uma das avenidas da “Cidade Dormitório”

Por: Silvia Correia


Prolongamento da Prudente de Morais. Muito vento a bater no cabelo. O ponteiro do velocímetro marca 100 km/h. À direita, muito verde, dunas, o Parque da Cidade e o Circo Grock. À esquerda, vegetação rasteira, salão de festas, o Arena Bar. O final da via, no sentido Prudente de Morais – Pitimbú, aproxima-se. A velocidade do carro é diminuída, quase que estacionada. Chegamos à avenida transversal Xavantes, que marca o início do conjunto Cidade Satélite - mais conhecido pelo estigma de “Cidade Dormitório”.

Seguindo pela direita encontramos a Clínica Satélite. Continuar a trajetória nesse mesmo sentido implica percorrer a segunda etapa do conjunto, onde as ruas têm nomes de diferentes tipos de árvores e o ambiente é predominantemente comercial. Todavia, nosso destino é outro. No trevo mais próximo, dobra-se à esquerda. A paisagem agora se modifica um pouco. Casas nas mais variadas tonalidades de um lado e do outro, vegetação novamente, só que dessa vez de pequeno e grande porte. O semáforo adiante indica: “reduza a velocidade e pare”. Ao lado, um pastor alemão de latido forte chama atenção de quem passa. Um, dois, três tempos. O carro prossegue e finalmente chegamos à Avenida Pintassilgos, rua que corta a primeira etapa do Satélite de uma ponta a outra.

O alvorecer do dia naquele local parecia tranqüilo. Com um ar típico de cidade interiorana, nos deparamos - nas laterais da avenida - com diversos mercadinhos e padarias pelo caminho. Crianças desfilam pelas calçadas com suas mochilas nas costas, prontas para mais um dia de aula. Carros saem das ruas que têm nomes de pássaros e serras e dirigem-se para dois destinos: BR 101 e prolongamento da Prudente de Morais. O verde do Horto Florestal Parque das Serras se contrapõe com a obra de continuidade do Prolongamento da Avenida Prudente de Morais. No horário das 6 às 8 da manhã, um grupo de idosos se reúne para caminhar. Pelo grau de intimidade e sorrisos estampados nos rostos, parece que esse ritual faz parte do cotidiano daqueles moradores.

Com seus 70-80 anos, na flor da idade, o senhor Dário desloca-se para aquela multidão de cabeças brancas. Baixinho, sisudo, porém alegre, ele sai da rua Serra das Cruzes e segue em direção ao restante dos companheiros de atividade aeróbica. Tento abordá-lo, mas ele não quer conversa. Estava indo para sua caminhada matinal. Aquele horário é imaculado para ele.

O passeio pelos dois lados da Pintassilgos me rende boas fotos. Na praça, enquanto fotografo a Paróquia São Francisco de Assis, deparo-me com o senhor Manuel Aires, que estava por lá caminhando. Bem vestido, com todos os acessórios combinando, o idoso de 85 anos senta-se com dificuldade. Depois das apresentações, o comerciante aposentado e morador da Rua das Garças começa a falar sobre a congregação franciscana, da qual ele participa assiduamente. Relembra as festas americanas, que aconteciam quando a primeira etapa do conjunto foi inaugurada e cita as comemorações da igreja, que serviram de integração para a comunidade.

Por volta das dez e meia, encontro uma figura caricata na rua Serra Bonita: a dona Marieta. Ela estava varrendo a calçada. Trajava uma bermuda três quartos na cor caqui e uma blusa florida de coloração branca e salmon. As rugas do rosto não negavam a idade, mas cabelos brancos à mostra? Nada disso. Com as madeixas bem pintadas na cor castanho, puxada para o mel, essa senhorinha esbanjava simpatia. Aposentada, divorciada, sem filhos, a ex-enfermeira contou que a avenida, assim como todo o restante do conjunto Cidade Satélite, era tipicamente residencial e habitada por casais jovens, recém-casados, militares e funcionários públicos, como seu ex-marido, já falecido. Resolvi indagar sobre a denominação de Cidade Dormitório. Ela explicou que antigamente a maioria dos moradores trabalhava no centro da cidade e voltava para casa apenas para dormir.

Conversa vai, conversa vem. Entre as histórias de brigas de vizinhos, a brincadeira das crianças de atirarem ovos nas janelas dos ônibus e as festas D. Marieta comenta que, apesar desse ar de cidade do interior, nunca foi muito comum os vizinhos se reunirem para jogar conversa fora. “Era e é comum se encontrar crianças jogando bola ou correndo de bicicleta pelas ruas nos finais de semana. Contudo, à noite, nunca foi muito comum por aqui se encontrar vizinho pelas calçadas. Você só vê mato e deserto. Chega a dar medo ficar em uma parada de ônibus sozinha.” Ela ainda alerta para o problema das ruas dos pássaros, onde só passa a linha 44, e por causa disso muitos moradores permanecem horas a fio nas paradas. Indagada se gostava de sua moradia e se pretendia permanecer ali, afirma que sim. Grande parte de suas memórias se encontravam naquela rua.

Um pouco emocionada e com o olhar perdido, talvez em recordações, o sino da igreja toca apontando doze horas. As badaladas parecem despertá-la. Resolvemos finalizar a entrevista. Na saída, pego o bloquinho para anotar dados que faltavam: idade, nome e sobrenome. Ao que ela me responde: 83 anos e Maria Alves.

- Maria? Mas a senhora não falou que era Marieta?

- Ah, minha querida, isso já é uma outra história.

E rindo, despediu-se de mim com um abraço e felicitações de bom desempenho com a matéria.

Dona Marieta, seu Dário e o seu Manuel fazem parte de um cotidiano ordinário de uma das ruas de Natal. É realmente interessante e prazeroso sair para apurar uma história, um fato, uma notícia e encontrar personagens assim. Eles são exemplos dos típicos idosos natalenses que conhecem muitas histórias, causos e experiências a serem compartilhadas conosco todos os dias.


Matéria realizada para a disciplina Linguagem Jornalística da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) sobre uma das ruas de Natal, capital do estado do RN.
(FACES DE NATAL)
Ocorreu um erro neste gadget

Poderá Gostar também:

Related Posts with Thumbnails